sexta-feira, 17 de abril de 2009

Parir... o Poeta


Despeja-se o interior do peito, no verso do poema
Palavras escritas em espelho, na dourada moldura do Sentir
Gritos sussurrados ao vento, na íngreme encosta do Desejo
E assim, como se de arvores se tratasse,
Enraízam-se as palavras do poema, no solo fecundo da Alma
Chovem gotas de Sonhos, do céu azul dos Afectos

E da gestação do Amor…
Nasce o Poeta!

7 comentários:

frAgMenTUS disse...

Babes, eu não gosto nada de ler aquela frase feita de que o poeta é um fingindor pk, na verdd, o poeta é sobretudo alguém sensível capaz de transmitir, por palavras, métaforas...o mais belo sentir, a mais simples percepção e td isto pk o poeta pare-se do coração, do q a sua alma imana ao/com/pelo/no mundo.

Bj luz e paz
Amanhã com mt mar e pinceladas coloridas ;)

susaninha disse...

Sim é do amor que nasce a poesia, em tempos pensei que só de quem sofre é que saiam poemas, mas estava enganada, saiem de quem sente o amor, de quem tem sensevilidade para ver tudo de uma forma diferente...

Que um anjo te ilumine

Beijinho

Helena C de Araujo disse...

E - talvez - da gestação da dor, a poesia...
Lindíssimo e inspirado!
Beijo em ti!

filipa disse...

o poeta é filho da luz e do dom de transformar as palavras em vida.

beijo*

Exploradora disse...

Hoje e agora, desejo que da alma lhe chovam gotas de sonhos (ou melhor, uma torrencial chuva de sonhos) dos seus afectos e e que daí, a poetisa que existe em si renasça a cada dia.

Beijo grande e cheio de ternura

Dois Rios disse...

Babes,

Você é uma poeta.
Basta assim.

Beijos encantados,
Inês

the reason is you disse...

Babes,

escreves tão bem...

beijinho