segunda-feira, 30 de março de 2009

Sopro de (quase) Vida


Respiro-Te,
Sorvendo cada partícula do ar que sai de Ti.
E contenho o fôlego,
Numa demora bastante
Para que o ar de Ti me entre no sangue,
E me percorra todo o avesso do corpo.
Assim fico…
Inebriada de um mágico sentir,
Contendo o fôlego…
mais e mais…
Para que fiques em mim,
Até ao fim… Do fim
.
.
.
Do fim

11 comentários:

frAgMenTUS disse...

e nós que te lemos, entramos no sangue das tuas palavras, até ao fim..ao fim :)

intenso e apaixonado, adoro ler-te!
bj grnd luz e paz
boa semana!

Dois Rios disse...

Nossa Babes, que coisa mais linda!

Aí está a síntese do amor. O ar que respiramos nunca é o bastante. Há que se oxigenar com o ar do outro.

Belíssimo!

Beijos meus,
Inês

Secreta disse...

Que sopro de vida tão especial...
Beijito.

meus instantes e momentos disse...

maneirissimo post, belo texto. Parabens , amei tudo aqui.
Maurizio

BEL disse...

A Respirar começa a vida
A Suspirar termina
E nos entretantos é no sopro entre o respirar e suspirar que retemos/ vivemos essa vida que não é só nossa
Beijos
Bel

mAg!C disse...

Seja qual for esse fim, terá um início... O início do fim...

Respira, transpira, sente e sorri!

Um bem haja...

«mAg!C»

Helena C de Araujo disse...

Respirar e conter o fôlego para reter em si oque é, ao mesmo tempo, causa e fim.
Lindíssimo!
Só o amor consegue ver as coisas de forma tão especial e intensa!
Maravilhoso poema!
Um beijo!

Secreta disse...

Bom fim de semana ...:)

Exploradora disse...

Haverá algo melhor do que respirar o Amor? Inspirar e expirá-lo...até toda a circulação esteja completamente preenchida dele? Não creio!
Lindissimo texto de grande sensibilidade.

Beijo

the reason is you disse...

LINDO!

*

TUCA disse...

Linda poesia!!!